Pular para o conteúdo

Corinthians e Suvinil, uma parceria histórica do Timão

Suvinil e Corinthians trabalharam juntos por pouco tempo, mas deixaram sua marca nos torcedores.

As cores da Suvinil nas camisas Timão são fáceis de lembrar. A marca foi parceira do clube há 20 anos e foi imortalizada na era dourada do Corinthians, aparecendo nas camisas de estrelas como Marcelinho Carioca um dos ídolos do timão.

Em 1995, a Suvinil tornou-se sócia do clube, ano em que o clube se tornou campeão do estado de São Paulo e campeão da Copa do Brasil, aquele ano foi uma temporada incrível. O contrato foi assinado até 1996.

Entretanto, não foi a primeira vez que o fabricante da tinta apareceu na camisa do clube.

Anteriormente, em 1987, o Suvinil estava em campo com a equipe do Santos. Foi no contexto desta parceria que a marca apareceu pela primeira vez no mercado como uma estratégia.

A equipe levou a marca para a França, onde venceu o torneio europeu naquele ano.

A primeira intervenção artística, cultural e histórica da marca também foi ligada ao futebol: em 1988, o arquiteto Roberto Tanaka deu ao estádio do Pacaembu um novo esquema de cores utilizando 80.000 litros de tinta Suvinil.

Poucas pessoas sabem disso, mas Suvinil é propriedade da gigante química BASF e seu nome vem da combinação de duas palavras: su para super e vinil para vinil real, não das grandes placas, mas de um composto de látex sintético conhecido como vinil.

Seu logotipo não é mais o mesmo que o imortalizado nas camisas de Santos e Corinthians, porque toda marca deve se renovar, assim como sua essência.

Vinte anos depois, em 1998, a marca voltou ao campo, agora com o Palmeiras e compartilhando a camisa com a Fiat.

Esta parceria provocou um conflito geral entre o clube e a marca por causa de seu logotipo colorido. A Suvinil ouviu os pedidos dos fãs e adotou uma versão modificada de seu logotipo na camisa para melhorá-la visualmente e esteticamente.

 

 

Timão Interior